Você sabia que a denominação “couro fake” ou “couro sintético” é considerada crime?

Como limpar as roupas de couro?
22/02/2021
Você sabia que a denominação “couro fake” ou “couro sintético” é considerada crime?
Share

Com o objetivo de proteger a indústria coureira e proibir a utilização do termo couro em itens que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal, foi assinada em 9 de dezembro de 1965 pelo Presidente da República em exercício no momento, Humberto de Alencar Castello Branco, a Lei 4.888, conhecida como “lei do couro” (BRASIL, 1965).

Você sabia que as expressões “couro fake” e “couro sintético” são proibidas por lei?

Para José Fernando Bello (CICB, 2019b) o propósito dessa lei é “coibir o mal uso da terminologia ‘couro’, material que, além de diferenciar-se por suas características estéticas e de durabilidade, também se destaca por seu criterioso processo fabril.” Leal (2007) avalia que a atratividade do preço, as propriedades químicas e térmicas do material sintético em nada se assemelham às do couro de origem animal.

Algumas marcas que comercializam produtos de “couro sintético” utilizam o nome “couro ecológico” erroneamente, para tornar a compra mais atrativa. Porém, ao contrário do que é divulgado, o couro ecológico é produzido a partir da pele de animal, contudo, ele recebe tal nome devido aos aditivos aplicados em seu tratamento que são menos poluentes à natureza. Devido ao alto valor do produto final o couro ecológico não é comercializado em grande escala. Posto isso, o verdadeiro couro ecológico é o couro legítimo com menor impacto ao meio ambiente devido ao tratamento nele realizado (BRANDI, 2016).

Apesar de não ser do conhecimento de todos, a Lei 4.888, conhecida como a lei do couro vigora desde 9/12/1965. Assinada na época pelo Presidente da República, a lei proíbe a utilização do termo “couro” em produtos que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal. Portanto, usar as expressões acima significa praticar crime de concorrência desleal e estar sujeitos às suas sanções cuja pena é detenção do infrator de 3 meses a 1 ano ou multa.

A Lei do Couro tem como propósito, coibir o mal uso da terminologia ‘couro’, material que, além de diferenciar-se por suas características estéticas e de durabilidade, também se destaca por seu criterioso processo fabril.

Roupa sem qualidade.

 

Sem qualidade, sem durabilidade. Produto à base de petróleo.

Esses são alguns exemplos da durabilidade do couro sintético. Além de craquelar e esfarelar toda a camada de “couro”, o couro sintético não é couro, pois não tem origem animal e é feito de um composto com poliéster, derivado do petróleo. Os couros ATHERA são legítimos, de origem animal, que passam por processos de beneficiamento para dar cores diferentes, que mantêm a qualidade e durabilidade que somente o couro legítimo pode trazer às suas peças.

Jaqueta nova de uma cliente que havia comprado uma em material sintético.

Quer ter acesso à lei do couro completa? Acesse o nosso site e confira: http://atheracouro.com/o-couro/ 💻

E aí? Já comprou uma peça em material sintético? Conta pra gente como foi sua experiência! 

Beijos, Lu e Carol. 💗

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *